quinta-feira, 10 de julho de 2014

Fábulas e Contos de Alfarim: O BURRINHO DE ALFARIM

Era uma vez um burrinho muito, muito velhinho, que tinha uma Dona igualmente tão velhinha quanto ele.
A Velhinha era viúva e vivia sozinha com o seu burrinho. Andava sempre vestida de preto, com um lenço na cabeça, atado de baixo do queixo e um avental muito velho e gasto.
Todos os dias saiam para ir para a horta. O Burrinho com a albarda e dois cestos, um de cada lado e a Velhota com as rédeas na mão puxava-o, e lá iam pela estrada abaixo muito devagarinho, pois as pernas já não permitiam andar mais depressa.
Quando chegavam à horta, o Burrinho ia pastar debaixo de uma oliveira e a Velhinha pegava no seu sacho e começava a arrancar as ervas que cresciam por entre cenouras, nabos e hortaliças.
Depois pegava na foice e apanhava algumas serralhas, que cresciam nos carreiros, para levar para os coelhos.
Antes de regressarem a casa, ainda ia ao poço, lançava o velho balde de ferro ferrugento à água e depois muito devagarinho puxava-o para cima e dava de beber ao seu burrinho, já com a barriga cheia de ervas. Depois lá iam eles, os dois muito devagarinho pela estrada fora, de regresso a casa.
Um dia a Velhinha que vivia sozinha com o seu burrito e não tinha família nenhuma, morreu.
Então o pobre do Burrinho ficou tão triste, tão triste que zurrou e zurrou de tristeza.
Um Velhote que por ali ia a passar com o seu neto, ficou espantado e foi ver o que se passava.
Quando espreitou para dentro do palheiro viu o Burrinho sozinho, deitado na palha, infeliz e amargurado. Quando os viu o Burrinho levantou-se, aproximou-se das tábuas e com a cabeça começou a roçar no Velhote e no Netinho.
-Coitadinho Avô, está sozinho.
-Está velhote como eu, já não serve para nada…
-Não digas isso avô, eu adoro-te.
O velhote começou a pensar, a pensar e olhava para o burrinho.
-Hoje vais connosco para nossa casa.
E assim foi, o Burrinho velhinho lá foi com o Avô e o Neto para a sua nova casa, onde passa os dias a pastar num pasto com erva verdinha e muito gostosa.

0 comentários: